Vagos Open Air 14

Créditos Finais: Vagos Open Air 14 | Dia 2

17:49Ana Mansilha

Novamente para mais um sábado a relembrar o segundo dia do Vagos Open Air. Estamos a dia 9 de Agosto de 2014, hoje no menu temos mais seis bandas, entusiasta como sou não perco nenhuma, no entanto o grande chamamento vai para os Behemoth e para os Annihilator.

Mas enquanto isso, foi dia de compras e passeatas pela vila de Vagos, como sempre. Quem abriu o palco nesse sábado, foram os nossos Requiem Laus, vindos da Madeira 
Achei-os apressados em tocar e a interagir pouco, mas foram competentes e eu gostei bastante.



Agora uma curiosidade, eu desde que ando nestas "lides" do Heavy Metal que sempre ouvi falar dos Angelus Apatrida, sempre soube de concertos cá e de presenças em vários palcos que eu pensava que eles eram portugueses, até à bem pouco tempo é que descobri que afinal são da vizinha Espanha. Finalmente os vi e gostei, muito simpáticos e realmente felizes por estarem no palco do VOA, o que fez com que a actuação fosse muito positiva. A qualidade de som estava bastante boa.



Seguem-se os The Haunted, para mim pessoalmente que não conhecia nada ao vivo da banda, não fiquei desiludida, mas também não fiquei contentada. Achei-os extremamente teatrais no mau sentido, com ketchup na testa e tudo. De sobrancelha levantada lá se passou o tempo, sem grande entusiasmos.



FINALMENTE, a banda que eu mais tinha curiosidade de ver, ouvir, assistir, sei lá. Os Behemoth têm em volta deles um aura negra tão peculiar e controversa que dificilmente algum dos presentes não deu uma olhadela para o palco. O melhor concerto do dia para mim, distribuíram faíscas e adrenalina com aquela setlist cheia de boas escolhas, entre elas as grande do último álbum "The Satanist". Muito headbang e a típica caracterização que nos fazia arregalar os olhos e explodir de emoções. Excelentes!!



Próximos são os Annihilator, uns senhores cheios de charme e atitude, têm o lugar deles em destaque e mais que seguro no mundo do Metal, portanto, nem poderia ser de outra forma, actuaram com grandiosidade, com as melhores guitarras da noite e com uma presença de quem está bem consigo próprio, que faz o que faz, porque fá-lo divinamente.

Por fim, e eu já sem maquina fotográfica comigo, porque na verdade ia ouvir Opeth da tenda, no entanto lá me decidi ir até ao recinto e ainda tentei, sim porque começou bem mas... Eu já tinha visto Opeth no outro Vagos, salvo erro em 2010 ou 2011 e não gostei nada. Nesta edição, optaram por incluir na setlist alguns clássicos mais pesados e antigos, no entanto o destaque foram as piadas foleiras do Mikael e o último disco, o "Heritage". Continuo a achar que eles não se fundem com open air, talvez numa sala fechada e com plateia sentada a coisa resulte mais. Sou fã assumida à vários anos de Opeth, mas de Opeth em disco, não vivo. Pelo menos depois de dois concertos, aliás um e meio, porque este nem terminei de assistir...

Nota: As fotos de Annihilator não sobreviveram aos tremores e em Opeth como referi, fui para a tenda no intervalo, vesti um casaco e vim numa boa para o recinto, só para espreitar.
Facilmente encontram várias fotos, na net.
Podem consultar a página do facebook do VOA clicando *AQUI*

Obrigada por , uma vez mais, estarem aí desse lado, não faltem amanhã, o último dia de Vagos aqui no Beauty. Um beijo, Ana.

You Might Also Like

0 comentários